Como escolher as peças do seu novo PC






Escolher o formato, entre desktop e notebook, que mais se adapta à sua necessidade é só primeiro passo. E se você já sabe para quê vai usar seu PC, essa resposta é a mais fácil. Mas a partir daí existe toda a "alma" do computador, isto é, a configuração da máquina. Cássio Tietê, diretor de marketing da Intel, lembra que a escolha de um novo computador vai acompanhar você pelos próximos anos. Portanto, tem que ter critério e cuidado.

Antes de falar do processador, o coração do computador, vamos ver como escolher a "memória RAM". Não adianta você ter uma super máquina com um processador de última geração se não houver memória suficiente para suportar as diversas tarefas executadas ao mesmo tempo. 2GB de RAM normalmente satisfazem a maioria dos usuários domésticos. Para aqueles que gostam de games mais pesados, editar vídeos ou soltar a imaginação em programas gráficos como o Photoshop, recomenda-se, pelo menos, 4GB.


O disco rígido, mais conhecido como HD, é onde todos seus programas, documentos, fotos, músicas e vídeos ficarão armazenados. Aqui vale uma dica importante: o tamanho do HD é um dos itens que menos impactam no preço final de um computador. Ou seja, se você não quiser ter problema de espaço, invista um pouquinho a mais e pense em um disco rígido entre 250GB e 500GB. Claro, se você achar que não precisa de tudo isso, existem também boas opções a partir de 80GB. Cássio diz que ao comprar um computador, ele deve atender todas suas necessidades, porque daqui poucos meses, o PC pode ficar lento, ineficiente e deixar você estressado.

Antes de falar das placas de vídeo, que também merecem atenção, vamos direto para o principal, a escolha mais importante: o processador, o cérebro do PC. Antes de decidir, é importante conhecer alguns detalhes sobre as atuais linhas de processadores disponíveis no mercado.

Testes internacionais independentes mostram que a atual família de processadores da Intel, a Sandy Bridge, é de longe a que mais entrega desempenho. É também quem registra o melhor consumo de energia e a maior velocidade. Uma das principais novidades dessa geração de processadores é a tecnologia "Turbo Boost".

A tecnologia Turbo Boost se encarrega de desligar partes do processador quando elas não estão em uso. Quando você precisa de mais desempenho, ele automaticamente ativa todos os circuitos para performance máxima. Isso, claro, economiza um montão de energia, seja nas baterias dos notebooks ou na conta de luz no final do mês.

Outra característica impactante nos processadores Sandy Bridge é sua microarquitetura de 32 nanômetros. Esse número se refere ao tamanho dos transistores. Falando de grosso modo, quanto menor o transistor, mais deles você consegue colocar no mesmo chip. Quanto mais transistores, mais poderoso é o processador. "É importante que as pessoas prestem atenção na marca do computador: É preciso comprar uma máquina que você confie e que vá te dar uma experiência, qualidade e desempenho", explica Caio.

Finalmente, chegamos às placas de vídeo. A segunda geração de processadores da família Core sozinha já dá conta da maior parte do gráficos. Esses processadores trazem as funções gráficas integradas e têm performance suficiente para suprir a maioria das nossas necessidades. Claro, se você for um "hard gamer" ou um editor de vídeos, aí, sim, você terá de se preocupar em ter uma placa dedicada.
Se você quiser ter ainda mais certeza sobre a escolha de seu computador, aqui você vai encontrar um link para um guia completo sobre como escolher seu computador. Basta clicar em algumas respostas básicas sobre o que você espera da sua máquina, para encontrar a configuração perfeita.

Guia que ajuda Vc a escolher seu próximo computador

Fonte